(Português) Especialista em Direito Ambiental de Lobo & de Rizzo Advogados comenta sobre o uso de energias limpas

6 . June . 2014

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

A advogada reflete sobre a necessidade de “descarbonização” da geração de eletricidade.

Nesta sexta-feira, 6 de junho, o Governo Federal dará início a uma série de leilões para contratos de fornecimento de energia para os anos de 2017 e 2019. A grande expectativa é a licitação que acontecerá em outubro que, pela primeira vez, envolve projetos de geração de energia que serão leiloados por meio de processo de contratação exclusiva.

Para a especialista em Direito Ambiental de Lobo & de Rizzo Advogados, Renata Soares Piazzon, o uso de fontes alternativas de energia está em sintonia com as diretrizes do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) da Organização das Nações Unidas (ONU), que recentemente alertou sobre a necessidade de redução do uso de combustíveis fosseis poluentes para a produção de energia no mundo, com a consequente utilização de fontes de energia limpa.

De acordo com o Relatório da ONU, o setor de energia deve dobrar, até 2050, a quantidade de emissão de gases de efeito estufa que foi estimada em 2010. Como principal sugestão, o IPCC propõe “descarbonizar” a geração de eletricidade, investindo em recursos como o vento, sol e água.

Renata Piazzon defende a necessidade de estudo de fontes alternativas de energia para a redução das emissões de CO². “O previsto leilão de energia eólica, solar e de resíduos sólidos (lixo urbano e biogás) vem ao encontro à necessidade de redução da emissão de gigatoneladas de CO2 para a atmosfera. Uma alternativa, também vislumbrada como fonte de energia firme e que não acarreta emissões, é a energia nuclear, que deve ser avaliada com parcimônia diante do risco de acidentes e da necessidade de disposição final criteriosa dos rejeitos radioativos”, opina a especialista.

O leilão incluirá a contratação separada de três tipos de fontes de energia: eólica, solar e de resíduos sólidos (lixo urbano e biogás).