(Português) Lobo & de Rizzo promove encontro para debater a nova regulamentação do Regime Tributário de Transição

4 . October . 2013

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Café da manhã reuniu representantes de corporações nacionais e internacionais

Uma plateia formada por profissionais de finanças, contabilidade e do Direito participou de um debate sobre a decisão da Receita Federal de dar nova regulamentação ao Regime Tributário de Transição (RTT). O evento aconteceu nesta quinta-feira, 03 de outubro, no escritório Lobo & de Rizzo Advogados, em São Paulo.

O painel apresentado pelos sócios da área Tributária, Alexandre Siciliano Borges e Eduardo Martinelli, deu aos participantes a oportunidade de trocar experiências e tirar dúvidas sobre o assunto, como a forma de apresentação de balanços, a insegurança jurídica causada pela decisão do governo de cobrar tributos sobre dividendos oriundos de lucros que não foram tributados, além da expectativa sobre a introdução de novas regras em já em 2014 ou apenas em 2015.

O anúncio da Receita Federal, de que pretende rever a IN 1397, pegou todos os presentes de surpresa, como a coordenadora contábil da Editora Moderna, Priscila Gomes Lopes. Para ela, a conversa com os especialistas de Lobo & de Rizzo Advogados foi interessante por agregar novos conhecimentos. “Vou voltar para a empresa e discutir o surgimento de uma nova Medida Provisória e a revogação da IN”, afirmou.

Para os tributaristas Alexandre Siciliano Borges e Eduardo Martinelli, essa decisão do governo abriu a oportunidade de discutir o assunto do RTT sem a Instrução Normativa nº 1.397. “Em vista dessa alteração, tivermos essa oportunidade única de discutir esse cenário, e esse contato é importante para que as empresas possam ouvir umas as outras”, disse Alexandre Siciliano. Eduardo Martinelli também achou que o intercâmbio de informações entre os representantes das empresas presentes no encontro foi bastante positivo. “A notícia sobre a revogação da IN não elimina o assunto da pauta, só nos deixa em estado de atenção sobre o que irá acontecer a partir do exercício de 2014.”